Deep learning: exemplos, aplicações e o que esperar!

Blog da ValueHost


O deep learning é uma das áreas mais promissoras e inovadoras da tecnologia, que vem revolucionando diversos setores e atividades. São algoritmos capazes de simular os neurônios humanos para a tomada de decisões refinadas com análise de grandes volumes de dados. Podem ser aplicados nos mais diversos setores, com destaque para saúde e análise de dados corporativos.

Neste guia, vamos explicar tudo o que você precisa saber sobre o deep learning, mostrando exemplos práticos e as tendências para o futuro. Acompanhe!

O que é deep learning?

Deep learning é um subconjunto do machine learning que utiliza redes neurais artificiais para aprender a partir de dados complexos e realizar tarefas sofisticadas. O objetivo é simular o funcionamento do cérebro humano, usando as redes neurais, que são estruturas computacionais compostas por camadas de unidades de processamento chamadas neurônios — que se conectam e transmitem sinais entre si.

Existem diferentes tipos de deep learning, de acordo com o tipo de rede neural, o tipo de aprendizado e o tipo de resultado. Veja abaixo as principais.

Redes neurais convolucionais (CNN)

Esse tipo de rede neural é bastante aplicado no processamento de imagens e vídeos e tem como foco o reconhecimento de padrões e dados de grade, como acontece nos pixels em imagens. Podem ser utilizadas, por exemplo, para o reconhecimento de objetos, detecção de faces e segmentação de imagens.

Redes neurais recorrentes (RNN)

São redes neurais que têm conexões de feedback e conseguem ter memória e processar sequências de dados, especialmente textos e áudios. Entre as principais aplicações da RNN estão a tradução automática, geração de textos, legendagem de imagem e reconhecimento de voz.

Redes neurais geradoras (GAN)

As redes neurais geradoras geram dados sintéticos e são importantes para a elaboração de aplicações críticas, como a criação de música, artes gráficas e imagens. A grande curiosidade em relação a esse modelo é que são criadas redes adversárias, ou seja, que competem, sendo uma geradora e a outra discriminadora.

O objetivo dessa competição é criar dados sintéticos que sejam indistinguíveis dos reais. Além disso, a disputa contribui para a melhoria contínua dos resultados.

Como surgiu o deep learning?

Os primeiros passos rumo à aprendizagem profunda foram dados no século XX, com os trabalhos pioneiros de cientistas como Warren McCulloch e Walter Pitts na década de 1940. Eles propuseram modelos computacionais de neurônios que formavam a base teórica para as redes neurais artificiais. No entanto, não houve uma grande evolução, devido à baixa capacidade computacional e à falta de dados para treinamento.

A crise dos anos 1960 e 1970

Durante os anos 60 e 70, houve avanços graduais, mas o progresso foi interrompido pelo que ficou conhecido como “invernos da inteligência artificial”. Nesse período, o entusiasmo inicial em torno da IA não teve o mesmo impacto de décadas anteriores, levando a poucos avanços práticos. O resultado foram os cortes de investimento e a descrença na viabilidade de pesquisas voltadas para o machine learning.

O ponto de virada nos anos 1980

Após a queda de interesse nos anos 1970, com a persistência de alguns visionários, foram surgindo novas abordagens. O surgimento do backpropagation, um algoritmo crucial para treinar redes neurais profundas, marcou um ponto de virada na década de 1980.

Com essa técnica, as redes neurais foram capazes de aprender com seus erros e ajustar seus pesos de conexão de forma mais eficaz, abrindo caminho para modelos mais complexos e sofisticados.

A interconexão de dados com a internet

O advento da internet e o aumento massivo na disponibilidade de dados foram um divisor de águas para o deep learning. Os pesquisadores passaram a ter acesso a um grande conjunto de dados estruturados, o que permitiu o treinamento de modelos cada vez mais precisos e robustos.

O uso de ferramentas de computação de alto desempenho, como unidades de processamento gráfico (GPUs), também impulsionou o poder de processamento disponível para tarefas de aprendizagem profunda.

O crescimento dos últimos anos

Nos últimos anos, vimos avanços extraordinários em várias áreas do deep learning. As redes neurais convolucionais (CNNs) revolucionaram o campo da visão computacional, alcançando níveis de precisão anteriormente inimagináveis em tarefas como reconhecimento de imagem e detecção de objetos.

Já as redes neurais recorrentes (RNNs) e modelos de memória de curto e longo prazo (LSTMs) elevaram o padrão em áreas como processamento de linguagem natural e tradução automática.

Além disso, técnicas como adversarial learning abriram novas fronteiras em geração de conteúdo, permitindo a criação de imagens, música e texto altamente realistas e convincentes.

Os desafios éticos

Questões éticas, como viés algorítmico e privacidade de dados, exigem uma atenção especial para garantir que o poder da aprendizagem profunda seja usado para o bem da sociedade. Além disso, a compreensão dos princípios subjacentes da inteligência continua sendo um objetivo fundamental, com muitas perguntas ainda sem resposta sobre a natureza da mente e da consciência.

Como o deep learning funciona?

O processo de treinamento de um modelo de deep learning começa com a alimentação de dados na primeira camada da rede neural, conhecida como camada de entrada. Cada neurônio nesta camada recebe um valor de entrada e o processa através de uma função de ativação, que determina se o neurônio será ativado ou não com base nesse valor. Essa ativação é então propagada para a próxima camada da rede.

Passagem pelas camadas intermediárias

À medida que os dados avançam pela rede, passando por camadas intermediárias conhecidas como camadas ocultas, ocorre um processo de aprendizado.

Durante o treinamento, os pesos das conexões entre os neurônios são ajustados iterativamente com o objetivo de minimizar uma função de perda, que mede a diferença entre as previsões do modelo e os valores reais dos dados de treinamento.

Esse ajuste dos pesos é realizado por algoritmos de otimização, como o gradiente descendente, que buscam encontrar os valores ideais para os parâmetros do modelo.

Aprendizado autônomo

Uma das características distintivas do deep learning é sua capacidade de aprender representações hierárquicas nos dados. Conforme os dados percorrem as várias camadas da rede, ocorre uma progressão da representação dos recursos, passando de características simples a características mais abstratas e complexas.

Essa hierarquia de representações permite que o modelo aprenda automaticamente a extrair insights dos dados, sem a necessidade de especificar manualmente quais atributos devem ser considerados.

Utilização prática

Uma vez treinado, o modelo de deep learning pode ser usado para fazer previsões ou tomar decisões sobre novos dados de entrada. Por exemplo, um modelo treinado para reconhecimento de imagens pode identificar objetos em fotografias, enquanto um modelo treinado para tradução automática pode converter texto de um idioma para outro.

Na medicina, por exemplo, os modelos estão sendo usados para diagnosticar doenças com base em imagens de exames médicos, como radiografias e ressonâncias magnéticas. No setor financeiro, esses modelos são empregados para detecção de fraudes em transações bancárias. No campo da robótica, os sistemas de visão computacional baseados em deep learning permitem que os robôs reconheçam e interajam com seu ambiente de forma mais inteligente.

Quais são as principais diferenças entre machine learning e deep learning?

Machine learning (ML) e deep learning (DL) são duas abordagens dentro do campo da inteligência artificial, com o machine learning sendo utilizado em várias tecnologias acessíveis e o deep learning sendo mais aplicado em tarefas complexas que exigem o reconhecimento de padrões e processamento de dados.

Estrutura dos algoritmos

A primeira diferença fundamental entre ML e DL está na estrutura dos algoritmos utilizados. O machine learning pode ser estruturado por algoritmos de regressão linear e árvores de decisão, com modelos mais simples e menos camadas. Já o deep learning é baseado em redes neurais mais profundas, que consistem em múltiplas camadas de neurônios interconectados, que viabilizam uma representação mais complexa e abstrata dos dados.

Requisitos de dados

Outro aspecto crucial que diferencia ML de DL é a quantidade de dados necessária para o treinamento. O machine learning oferece resultados razoáveis com conjuntos de dados relativamente pequenos.

Por outro lado, o deep learning requer grandes volumes de dados para aprender padrões complexos e extrair insights mais robustos. Isso se deve à natureza intrinsecamente mais complexa das redes neurais, que exigem uma grande quantidade de exemplos de treinamento para ajustar seus parâmetros de forma adequada.

Intervenção humana

O machine learning pode exigir alguma abordagem manual no processo de desenvolvimento do modelo. Isso acontece porque os desenvolvedores precisam selecionar e extrair de forma manual as características dos dados, além de ajustar os parâmetros dos modelos para otimizar o desempenho.

Com o deep learning, o processo de extração é mais automatizado, com as próprias redes neurais aprendendo a identificar os padrões e características relevantes nos dados de entrada.

Complexidade computacional

Outra característica que diferencia o machine learning do deep learning é a complexidade computacional. Os modelos de ML podem ser executados em processadores padrão, enquanto o DL exige recursos computacionais mais avançados, como GPUs, devido à sua arquitetura mais complexa e à necessidade de lidar com grandes volumes de dados.

Isso torna o treinamento de redes neurais profundas mais intensivo em termos de computação e potencialmente mais demorado do que modelos de ML tradicionais.

Quais são os principais usos do deep learning?

Com seu poder de processamento e capacidade de lidar com grandes conjuntos de dados, o deep learning tem se destacado em várias áreas, desde a tecnologia até a saúde e finanças. Neste tópico, exploraremos os principais usos do deep learning em diferentes setores, destacando suas aplicações e impactos significativos.

Reconhecimento de Imagens

Uma das áreas onde o deep learning tem feito contribuições significativas é a visão computacional e o reconhecimento de imagens. As redes neurais convolucionais são usadas para extrair características de imagens e identificar objetos, rostos e padrões.

Empresas como Google, Facebook e Amazon utilizam esse recurso para melhorar a pesquisa de imagens, organizar fotos em álbuns e oferecer sugestões de tags automáticas em redes sociais. Além disso, o setor de segurança se beneficia do reconhecimento facial para identificação biométrica e vigilância.

Processamento de Linguagem Natural (PLN)

O deep learning também tem sido fundamental no avanço do processamento de linguagem natural (PLN) e na tradução automática. Os modelos de linguagem baseados em redes neurais recorrentes são capazes de entender e gerar texto em diversas línguas, melhorando consideravelmente a precisão das traduções automáticas. Plataformas como Google Translate e Microsoft Translator utilizam esses avanços para fornecer serviços de tradução ágeis e precisos em escala global.

Assistentes virtuais e reconhecimento de voz

Os assistentes virtuais, como Siri da Apple, Alexa da Amazon e Google Assistant, também se beneficiam do deep learning para entender e responder a comandos de voz de maneira mais precisa e natural.

O reconhecimento de voz baseado em redes neurais permite que esses assistentes interpretem a linguagem falada, realizem tarefas e forneçam informações úteis aos usuários.

Essa tecnologia, quando acoplada a chatbots, traz um nível de comunicação altíssimo, que se torna cada vez mais difícil de identificar se é um atendente humano ou robô. Além disso, o deep learning é usado em sistemas de transcrição de fala para texto, tornando mais fácil a documentação de conversas e palestras.

Automação de veículos e robôs

Outra aplicação importante do deep learning é a condução autônoma e a robótica. Empresas como Tesla, Waymo e Uber estão desenvolvendo veículos autônomos que podem rodar com segurança nas estradas e interagir com o ambiente ao seu redor.

Esses sistemas usam redes neurais para processar dados de sensores, como câmeras e radares, e tomar decisões em tempo real sobre direção, velocidade e manobras. Além disso, o deep learning é essencial no desenvolvimento de robôs autônomos para tarefas industriais, como montagem de produtos e logística.

Diagnóstico médico

O deep learning está revolucionando o campo da medicina, especialmente no diagnóstico e na interpretação de imagens. As redes neurais convolucionais são usadas para analisar imagens de raios-X, ressonâncias magnéticas e tomografias computadorizadas para identificar sinais de doenças e outras condições médicas.

Esses sistemas podem ajudar os médicos a detectar câncer, doenças cardíacas e outras condições com maior precisão e rapidez, permitindo a descoberta de problemas de saúde no início e agilizando os tratamentos. Além disso, o deep learning é usado para prever resultados clínicos e desenvolver terapias personalizadas com base em dados genômicos e biomédicos.

Finanças e investimentos

No setor financeiro, o deep learning tem sido utilizado para previsão de séries temporais, detecção de fraudes, negociação algorítmica e gestão de riscos. Modelos baseados em redes neurais são capazes de analisar grandes volumes de dados financeiros e identificar padrões complexos que podem influenciar os mercados.

Esses sistemas podem prever preços de ações, taxas de câmbio e tendências do mercado com precisão, ajudando investidores e instituições financeiras a tomar decisões mais embasadas.

Além disso, o deep learning é usado na detecção de atividades fraudulentas, como transações suspeitas de cartão de crédito e lavagem de dinheiro, protegendo assim as instituições financeiras e os consumidores.

Entretenimento e mídia

No campo do entretenimento e mídia, o deep learning é usado para recomendação de conteúdo, análise de interesses e geração de conteúdo autônomo. Plataformas de streaming, como Netflix e YouTube, usam algoritmos de recomendação baseados em redes neurais para sugerir filmes, programas de TV e vídeos com base nos interesses e preferências do usuário.

Além disso, o deep learning é usado nas mídias sociais, analisando comentários de usuários para entender a opinião pública e adaptar estratégias de marketing.

Quais são os benefícios do deep learning?

Agora que já entendemos as principais aplicações do deep learning, vamos entender quais são os benefícios práticos que ele traz tanto para a sociedade quanto para os negócios. Confira!

Benefícios para a sociedade

No âmbito social, o deep learning tem desempenhado um papel fundamental em melhorar a qualidade de vida e impulsionar avanços em várias áreas. Veja a seguir os principais.

Mais eficiência na área da saúde

Um dos principais benefícios do deep learning para a sociedade é sua aplicação na área da saúde. Com algoritmos de análise de dados, auxilia os profissionais de saúde na detecção precoce de doenças, no diagnóstico preciso e no desenvolvimento de tratamentos personalizados.

Por exemplo, em diagnósticos de câncer, o deep learning pode analisar imagens com grande precisão, identificando padrões sutis que podem escapar à detecção humana. Além disso, o deep learning também está sendo utilizado para prever surtos de doenças e otimizar o gerenciamento de recursos hospitalares.

Otimização da segurança pública

Outra área em que o Deep Learning está fazendo uma grande diferença é na segurança pública. Com as redes neurais, os sistemas de vigilância são capazes de identificar comportamentos suspeitos, reconhecer rostos em multidões e até prever atividades criminosas com base em padrões de dados históricos. Essa tecnologia tem sido fundamental para melhorar a segurança em espaços públicos, prevenir crimes e proteger comunidades.

Ganhos na Educação

No campo da educação, o Deep Learning está sendo usado para personalizar a experiência de aprendizado dos alunos. As escolas podem identificar as necessidades individuais dos alunos, adaptar o currículo de acordo e fornecer recursos educacionais sob medida. Isso ajuda a garantir que cada aluno receba a atenção e o suporte de que precisa para ter sucesso acadêmico.

Benefícios para os negócios

Além de seu impacto na sociedade, o deep learning oferece uma série de vantagens para as empresas, ajudando a impulsionar o crescimento, a inovação e a eficiência.

Análise de dados

Uma das aplicações mais poderosas do deep learning nos negócios é na análise de dados. Os algoritmos permitem que as empresas possam extrair insights valiosos de grandes conjuntos de dados, identificando padrões, tendências e oportunidades ocultas. Isso permite que os gestores tomem decisões mais certeiras, otimizem suas operações e melhorem seu desempenho.

Personalização do cliente

Outro benefício significativo do deep learning para os negócios é sua capacidade de personalizar a experiência do cliente. O DL permite às empresas analisar o comportamento do consumidor, suas preferências e histórico de compras para oferecer recomendações personalizadas. O resultado é a melhora da satisfação do cliente, o aumento das taxas de conversão e fidelidade à marca.

Automação de processos

O deep learning também está impulsionando a automação de processos em empresas de todos os setores, automatizando tarefas repetitivas e baseadas em regras, liberando tempo e recursos para atividades mais estratégicas e de alto valor. Isso aumenta a eficiência operacional, reduz os erros humanos e melhora a produtividade.

Previsão de tendências de mercado

Além disso, o Deep Learning é uma ferramenta poderosa para previsão de tendências de mercado e análise de demanda. Com modelos de previsão avançados, as empresas podem antecipar mudanças no mercado, identificar oportunidades e tomar medidas proativas para se manterem à frente da concorrência. Isso permite que as empresas se adaptem rapidamente às mudanças do mercado e otimizem suas estratégias de negócios.

Qual é o Futuro do Deep Learning? O Que Esperar?

À medida que os algoritmos de deep learning se tornam cada vez mais sofisticados, surge a pergunta: qual é o futuro dessa tecnologia e o que podemos esperar dessa tecnologia? Neste tópico, vamos explorar as tendências e possibilidades que o futuro do deep learning reserva.

Desenvolvimento de modelos mais eficientes

Uma das principais tendências para o futuro do deep learning é o desenvolvimento de modelos mais eficientes. Os modelos mais atuais do DL são complexos e exigem uma grande quantidade de recursos computacionais.

O esperado é que os pesquisadores e desenvolvedores encontrem formas de simplificar esses modelos, sem comprometer a eficácia. Isso pode envolver a redução do número de parâmetros ou o desenvolvimento de técnicas de compressão de modelos mais eficazes.

Maior transparência dos resultados

Outra tendência importante é a crescente ênfase na interpretabilidade e transparência dos modelos de deep learning. Os modelos são cada vez mais utilizados em aplicações importantes, como diagnóstico médico e tomada de decisões financeiras, e é essencial que os resultados produzidos sejam compreensíveis e explicáveis. Para isso, será necessário criar técnicas para tornar os modelos de deep learning mais transparentes, permitindo que os usuários entendam como as decisões são tomadas.

Integração com outras tecnologias

Além disso, espera-se que o deep learning se integre cada vez mais com outras tecnologias, como blockchain, realidade aumentada e Internet das Coisas (IoT). Essa integração pode abrir novas oportunidades e desafios, à medida que as empresas buscam aproveitar o poder combinado dessas tecnologias para criar soluções inovadoras e disruptivas.

Proteção de dados

Um grande desafio é em relação à privacidade dos dados, devido ao grande volume de informações necessárias para produzir os insights. Como a tendência é a tecnologia se tornar cada vez mais popular, em aplicações do dia a dia, será importante criar técnicas para proteger os dados dos usuários e garantir o processamento de informações de forma ética.

Neste guia, exploramos como o deep learning é uma tendência tecnológica que promete revolucionar a análise de dados e a tomada de decisão em diversos setores. Está presente não apenas em análises médicas complexas e automação de dados empresariais, mas também em nosso dia a dia, como nas recomendações de filmes e séries que os aplicativos de streaming nos dão.

Se você gostou deste post, compartilhe em suas redes sociais para que mais pessoas conheçam essa tecnologia inovadora.





Fonte: Valuehost

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *